22° dia. Tupiza a San Salvador de Jujuy (Argentina)

Um fato curioso que tem acontecido com freqüência nesta viagem é sobre o local que as motos ficam. No hotel em Tupiza mandaram a gente colocar dentro da recepção do hotel, bem na entrada. Foi assim tambem em Nasca e em muitos outros lugares elas ficaram em lugares inusitados ou estranhos. O importante pra nós é ela estar segura.

Saindo de Tupiza fomos abastecer as motos e tivemos uma surpresa. Aqui é cobrado o sobre preço para veículos de fora. A gasolina que vínhamos pagando R$ 1,25 iría para R$ 1,96. Um absurdo! Tentamos convencer o dono do posto que aquilo era irregular, mas não teve jeito. Resumo: Não abastecemos as motos. O tanque estava quase vazio, mas ainda restavam os rservátorios que seriam o sificiente para alcançarmos Vilazon, na fronteira, dali a 100 quilometros.

Saindo de Tupiza resolvemos fazer um atalho seguindo a linha férrea e passando por dentro de um túnel. Ficamos na dúvida se não havia o risco de encontrarmos o trem. Perguntamos a um menino e ele falou que hoje não tinha perigo porque era dia 10 e não passava o trem neste dia. O problema que o garoto errou o calendário por 19 das (era dia 29). Fomos olhando mas não fomos surpreendidos pelo trem, foi tranqüilo. O único perrengue foi que a trilha que imaginávamos que fosse encontrar a estrada mais a frente, não encontrou e tivemos que voltar uns quatro quilômetros.Ótimo, o local valia a ida e a volta. A estrada dali pra frente está em obra e o que encontramos foi muita poeira, muita pedra solta e muitos desvios. Um trecho que requer bastante atenção.

Chegamos a Vilazon para fazer os tramites aduaneiros e o local estava lotado por causa dos ônibus que também estavam na aduana. Perdemos uma três horas para fazer a nossa migração e regulamentar as motos na Argentina.

Seguimos de Vilazon por uma bela estrada em direção a Sana Salvador de Jujuy. Nesta estrada já havia uma grande mudança de vegetação com muitas lavouras e árvores. Aqui perto já há a tradição de bons vinhos argentinos.

Ao fim da tarde chegamos a San Salvador onde fomos recebidos pelo motociclista argentino Ernesto, que nos acolheu em sua casa.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>