14 dia. Nasca a Atico. 272 km.

Na noite passada ja haviamos combinado um passeio sobre as linhas de Nazca. Pra quem nao conhece, as linhas de Nazca sao grandes desenhos feitos no deserto que leva o mesmo nome, e só sao vistas de aviao. Alguns desenhos chegam a ter 300 metros de comprimento. No aeroporto de Nasca partimos num teco teco rumo aos misteriosos desenhos. É impressionante ver as figuras feitas em tamanho gigante e preservadas até hoje.Entre os desenhos há um macaco, uma aranha, um colibri, todos espalhados no meio do grande deserto. É muito instigante tentar entender porque foram feitos e pra quem. Há uma figura chamada de astronauta feita por um povo, que pelo período, nem deveriam saber o que é um astronauta.
 
O problema deste voo é que para mostrar os desenhos para os passageiros dos dois lados do aviao o piloto faz manobras que deixam o aviao todo inclinado em relacao ao solo.
Em algumas pessoas isso pode causar um certo enjoo. Presente. Nada grave, apenas um forte suador e algumas imagens meio estranhas registradas na filmadora. Vi figuras que nem existem no deserto. Sem consequencias graves.
 
Saindo de Nasca entramos na Rodovia Panamericana. No comeco ela é uma estrada normal, mas após rodar apenas uns cinco quilometros vem a surpresa, a estrada rasga o árido deserto de Nasca. Um corte num deserto onde a única coisa que se ve sao pedras e areia até sumir de vista. O visual é impressionante.Há muito tempo tenho o sonho de conhecer a rota 66, nos Estados Unidos. Hoje esse sonho perdeu seu brilho. A sensacao que eu nutria de rodar na rota 66 foi a que eu senti hoje rodando na Panamericana. Retas de sumir de vista, nas laterais da pista areia que se alastram transformando-se em grandes montes até onde os olhos alcancam. Foi impossível nao se remeter aos filmes americanos que nos vendiam a idéia da liberdade sem limite de uma moto. Essa imagem sempre foi associada a cena que nós vivíamos naquele momento. Duas motos rasgando um deserto rumo ao desconhecido. Foi uma sensacao inenarrável pilotar sobre aquelas condicoes. Com as costas apoiadas na bagagem, os pés para frente na pedaleira seguimos engolindo os quilometros que vinham dentro do deserto como se naquele momento houvesse uma grande inversao de personalidade, havíamos nos transformado num personagem que era real, e o sentimento de satisfacao era muito maior do que jamais poderíamos imaginar. Naquele momento seguindo de moto por dentro do deserto, nada nos passava na cabeca que nao fosse o simples e inexplicavel prazer de andar de moto num cenário cinematográfico. 
 
Como se essa  sensacao ja nao tivesse feito valer toda a viagem, eis que numa curva depois de um morro no eterno sobe e desce do deserto,avistamos ao fundo o ocenao pacífico.Tudo era real, havíamos cruzado o nosso continente de leste a oeste de moto, e a prova disso era esse encontro com o oceano batizado por Fernao de Magalhaes, que pela primeira vez que o viu, batizou o de Pacífico por suas águas calmas quando comparadas ao tempestuoso oceano atlantico. Debrucado sobre as dunas do deserto lá estava o mar que se alinhou com a estrada Panamericana e foi nos conduzindo até o minúsculo balneário de Puerto Inka. Pegamos a dica desse lugar com um chileno que conhecemos em Nasca. Falou-nos maravilhas sobre esse pequeno local, e o fato de termos que sairmos 7 quilometros da rodovia por uma estrada de chao até o local nos causou uma certa dúvida se deveríamos ir ao local ou nao. Resolvemos ir, e o resultado deixo pro Bonotto falar com as imagens captadas.
 
Ficamos no local umas tres horas. Saboreamos um dourado feito com mariscos e lula do pacífico e ficamos ali curtindo aquele paraíso que está fora do roteiro turístico da maioria das expedicoes que passam na Panamericana. Essa foi a nossa pérola do dia, achada dentro de uma ostra bem escondida.
 
Voltamos a estrada ja no fim da tarde para saborear a sobremesa de um prato perfeito que foi esse dia: O por do sol no Pacífico. Com as motos encostadas a beira da praia vimos até o ultimo raio de um sol que deixou toda a praia laranja.
 
Esse é o nosso planeta, e hoje ele ficou bem maior do que era. Lembraremos disso nas oracoes noturnas.
This entry was posted in Diário de Bordo. Bookmark the permalink.

12 Responses to 14 dia. Nasca a Atico. 272 km.

  1. Sérgio Boppré Silva says:

    Olá Vantuir e cleber,

    estas imagens nao tem igual! Impressionante, Inesquecíveis!
    É mesmo necessário atitudes como a de vocês, de mostrar as belezas de nosso continente, tao menosprezado muitas vezes por nós mesmos, mas inegavelmente tao lindo e precioso. Esta divulgacao que vocês estao fazendo irá abrir a mente de muitos, voltando seus olhos para nossa terra e suas belezas, pelo menos já comeco falando por mim! Parabéns e muito sucesso.
    Muito obrigado por compartilhar esta aventura com todos nós, estamos com vocês em pensamento, muito boa sorte!

    Um grande abraco,

    Sérgio Boppré Silva

  2. Juliana P. says:

    Parabens pela coragem e dedicação, cada dia aumenta a vontade de vim aqui e ler esses relatros incríveis, e vocês irão encontrar mais “pérolas” pelo caminho! Que Deus cuide de vocês e os anjos vos guiem.
    Saudades…

  3. Lucila says:

    De todos os relatos já deixados aqui, esse foi o que exprimiu com certeza toda a intensidade dessa viagem e desse Caminho. Muita coisa ainda está por vir, mas esse dia ultrapassa a fronteira do inimaginável!
    Mais que uma pérola, foi uma jóia rara, um diamante azul no meio desse deserto. E fico feliz por vocês compartilharem isso, permitindo “carona” na bagagem de vocês.
    As fotos estão um espetáculo a parte, mas não resta dúvida que presenciar a cena deve ter sido inigualável. Parabéns por essas imagens! Dignas de filme…
    Continuem agradecendo nas orações noturnas. Outras recompensas como essa com certeza virão!!
    Sorte, sucesso.
    SAUDADES.

  4. Zezé says:

    Oi meninos ,estive fora fim de semana e nao tive tempo de ler o diario de vcs,só vi as fotos,sueor legais,,
    espero que esteja td indo bem,estou torcendo e lembro sempre de vcs nas minhas oraçoes,pra que de tudo certo,
    [beijos

  5. Necchi says:

    Frutos do mar, direto do Pacifico, por do sol de tirar o folego, estrada lisinha……
    Era tudo que eu queria……
    Parabens……

  6. luiz carlos honorio says:

    sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  7. zé moto clube rota 66 - são josé-sc says:

    boa noite companheiros….
    que vontade de esta ai…..
    fico contente em saber que esta saindo como planejado…
    estou junto com vcs… um grande abraço. Zé

  8. elexandroo says:

    sem comentarios

  9. Urik says:

    Bonotto e Vantuir,
    Simplesmente espetacular os relatos e as imagens. Parabéns!
    Grande abraço.

  10. Marcos Papatrilha Motos says:

    Valdair, observei que vcs voltam um monte! aconteceu algo ou era o previsto ?

  11. Marcos Papatrilha Motos says:

    corrigindo : Valdair, observei que vcs voltaram um monte! aconteceu algo de errado ou era o previsto ?

  12. candoca says:

    fala cumigo vavá
    estou te acompanhado direto cadaver….rsrsrs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>